Sergio Coelho, Diretor-Geral da ESA -OAB/RJ, apresenta prestação de contas da ESA-RJ

No início do mês de fevereiro, Sergio Coelho, Diretor-Geral da ESA-OAB/RJ, participou da reunião do Conselho da OAB/RJ e realizou uma apresentação de prestação de contas da ESA – OAB/RJ.

Sergio deu início à sua apresentação revelando quais eram os objetivos quando assumiu a Diretoria da ESA-RJ:  “Quando assumimos a ESA-RJ, em 2016, a primeira coisa que procuramos fazer foi desenvolver um planejamento estratégico para esse período, isso é primordial para saber onde queremos chegar. Compreendemos, então, que a nossa missão era ser um instrumento para atualização permanente dos advogados e advogadas do Estado Rio de Janeiro, através da oferta de cursos e eventos diversos, diferenciando-se das demais escolas de Direito pela abordagem prática dirigida à advocacia”, disse.

Em seguida, o advogado expôs as realizações conquistadas pela ESA-RJ nos últimos 3 anos: 212 cursos ministrados, mais de 10 mil alunos, somando-se a presença nos eventos, 1 milhão e 490 mil reais arrecadados, 17 mil seguidores nas redes sociais, mais de 2 mil postagens e 43 mil acessos no site da ESA-RJ, criado há apenas um ano. “O que conseguimos nesse período foi ter uma estrutura mais orgânica, com coordenadores em todas áreas, focar quase 100% da nossa divulgação em redes sociais, ter um site exclusivo da ESA-RJ e tudo isso oferecendo preços muito reduzidos em relação ao mercado”, completou.

Sergio Coelho apresentou, brevemente, as pesquisas de opinião e destacou que 70% dos alunos matriculados em cursos da ESA-RJ estão na faixa dos 35 aos 64 anos: “Esse é um ponto interessante, os cursos básicos oferecidos pela ESA não são de interesse somente dos recém formados mas também, em sua maioria, de pessoas que tem experiência na advocacia e precisam de uma reciclagem, sentem falta de uma reciclagem constante”, esclareceu. O Diretor da ESA-RJ destacou também a boa avaliação recebida pelos cursos e eventos realizados no último triênio, ambos com uma média superior a 8,5.

Quanto aos desafios para os próximos 3 anos, segundo o advogado, as metas são: aumentar em 100% o número de matrículas, aumentar a qualificação e a complexidade dos cursos, estruturar os cursos de forma mais planejada e integrada, reduzir em 50% os valores – sem comprometer o equilíbrio econômico/financeiro da escola -, aproximar as subseções do interior e oferecer curso de inglês com ênfase no inglês jurídico.

Veja abaixo a apresentação completa: